[Ramiro] Tema/Locação

Projeto CEV – Centro de Extensão e Vivências
Seguindo demandas dos usuários do Campus da UFMG situado na Pampulha (Belo Horizonte), é perceptível a falta de lugares articulados para encontros dos alunos e, consequentemente, trocas de infinitas maneiras culminando em formação de opinião e então, produção de conhecimento – intuito da Universidade. Diante deste caso, a escolha do projeto “Centro de Extensão e Vivências” vem de encontro com a junção de tais necessidades com outras pequenas pontualidades apresentadas por outros usuários do local, como enfermaria, banheiros, hortas comunitárias e laboratórios autogeridos, com apenas interferências da administração central em casos distintos como segurança e suas vertentes.
A escolha do local de implantação vem de encontro com a visibilidade do ambiente e a noção de pertencimento dos usufrutuários. O primeiro é consequência da visibilidade da área pelas pessoas que passam por ali no decorrer do dia para fazer suas atividades, como se alimentar no Restaurante Universitário, ter acesso aos prédios ao redor, estacionar carros, entre outros. O segundo se conecta a declividade do local para aproveitar a vista do terreno. Do alto é possível ver grande parte do Campus, interação esta que possibilitaria, com outras potencialidades, a maior frequência dos alunos, servidores e pessoas em geral que se identificam e utilizam outras partes do UFMG. Além de a altura ser representativa para a noção de “poderes universitários” na região, mostrando que a reitoria não é a única peça chave ou poder unitário, determinado pela altura do prédio ser a maior de seu entorno, para as decisões do futuro provindo da Universidade Federal de Minas Gerais.