[Bruna] Área de Convivência/Serviços: Projetos análogos, referências, formulação do programa de atividades e implementação

A ideia inicial do projeto foi a de tentar suprir as necessidades dos usuários do campus que não são atendidas pela praça de serviços e/ou outras estruturas existentes. Após as entrevistas com estudantes e professores, chegamos às seguintes demandas: Estacionamento; Lojas (papelaria, gráfica, lanchonete); Vestiários; Banco 24h; Área de descanso em lugares abertos (perto da mata) e fechados.

Levando em consideração a problemática da necessidade de estacionamento e a teoria de “quanto mais ruas e estacionamentos, maior o trânsito”, percebi que ao invés de abir mais espaço para carros, deveria dar outras possibilidades de transporte dentro da universidade. Por isso, a demanda por estacionamento não foi atendida, dando espaço para um bicicletário.

Após a escolha das demandas, partimos para o planejamento dos espaços, suas necessidades e suas conexões . Segue o esquema feito:

Planejamento dos espaços para BLOG.png

Após analisar os possíveis espaços, analisamos o terreno: como ele é usado atualmente, incidência do sol, fluxo de pessoas, estruturas, etc.  Este estudo foi importante para perceber e respeitar a dinâmica atual daquele espaço, como o fluxo de pessoas, que será mantida pelo objeto arquitetônico proposto.

Fluxo e necessidades BLOG.png

Tendo claro a necessidade dos espaços e as características do terreno, procuramos obras análogas e referências. Na verdade, não encontramos nenhum projeto que atendesse todas as perspectivas analisadas, segue então projetos e soluções que atendem às áreas propostas para o terreno do campus.

O estúdio multisciplinar J.Roc Design, com sede em Bonston, desenvolveu uma proposta em madeira para valorizar uma cobertura subutilizada no extremo sul da cidade. Esta proposta ajudou a solucionar a questão das áreas de descanso não cobertas (perto das matas):deck segundo andar.jpg

 

A Casa MS, assinado pelo Studio Arthur Casas,  concilia a vista privilegiada dos bosques e de um extenso campo de golfe, com a busca por luz abundante, ao norte. Construído em Porto Feliz, interior de São Paulo, o projeto arquitetônico distribuiu os espaços ao longo do eixo latitudinal do lote de modo a aproveitar tanto a paisagem quanto o sol. Este projeto serve como referência ao aproveitar a luz solar e propostas de espaços abertos/fechados, assim como o requerido para o projeto do campus da UFMG, nas áreas de descanso aberto e de fluxo de pessoas.

montagem pro BLOG.jpg

 

O Hotel Mirante do Gavião no município de Novo Airão, no coração do Rio Negro, Amazonas, foi desenvolvido pela equipe do escritório de arquitetura Atelier O’Reilly Architecture & Partners Sustainable Strategies.  Os chalés, elevados sobre pilotis, permitem a integração do hotel com a natureza, sem impermeabilizar o solo.

guarda corpo.jpg

 

A Galeria Psicoativa Tunga, em Inhotim, é exemplo de espaço claro e com leve desnível, o que é essencial para o projeto do campus da UFMG. A claridade e o espaço livre são importantes para a área coberta, onde se localizará as lojas, área de descanso coberta e possibilitará o fluxo intenso de pessoas.

vista de fora para BLOG.png

Com isso, chegamos no esboço do dimensionamento dos espaços e na possível planta de implantação:

Plantas baixa comodos BLOG.pngplanta implantacao BLOG.jpg

 

 

Links das principais referências e projetos análogos:

https://www.usjt.br/biblioteca/mono_disser/mono_diss/119.pdf

http://www.galeriadaarquitetura.com.br/projeto/atelier-oreilly-architecture-partners_/hotel-mirante-do-gaviao/1617

http://www.inhotim.org.br/inhotim/arte-contemporanea/obras/galeria-psicoativa-tunga/

http://www.galeriadaarquitetura.com.br/projeto/studio-arthur-casas_/casa-ms/3758

http://www.ciclovida.ufpr.br/wp-content/uploads/2012/10/Guia-bicicletarios-adequados-19-10-12-ACBC.pdf

http://www.dabus.com.br/blog/2014/10/5-dicas-de-arquitetura-corporativa-para-areas-de-convivencia/

https://arcoweb.com.br/finestra/arquitetura/pei-cobb-freed-escola-direito-universidade-fordham-nova-york

Advertisements

[Iael] Espaço de Convivência Acadêmico – Referências

Uso da declividade do terreno

Procurei referências que demonstrassem um uso “prático” da declividade, utilizando o próprio edifício como maneira de locomoção entre os desníveis, em detrimento de uma construção que somente se aproveitasse da declividade com um critério mais estético ou de pura elevação.

134LH-Pole Real Estate house Plan Build Slope Land | eBay:

clube campestre
Clube Campestre
merate piazza
Merate Piazza

 

Referência para Anfiteatro

Procurei referências que demonstrassem uma interação com o ambiente, e ainda criassem um espaço chamativo e aconchegante, que também incentivasse interações sociais.

Image result for projeto arquitetonico anfiteatro

Image result for anfiteatro projeto arquitetonico

Image result for anfiteatro projeto arquitetonico

 

Referência para interação exterior/interior

Procurei referências que demonstrassem que o lado exterior do prédio também faz parte do projeto, ou que demonstrassem uma interessante relação com o ambiente já existente.

parque los angeles
Proposta de Parque em Los Angeles
mmass
Centro de Convivência e Residência para idosos
hidden locker rooms
Hidden Locker Rooms

 

Referências para o interior

Procurei espaços relativamente pequenos, porém aconchegantes, que fizessem bom uso do espaço disponível, e que possuíssem irregularidades que pudessem ser livremente utilizadas.

campus hong kong
Campus Hong Kong
home for children
Home for children
SIMPLI DESIGN
Factory business center

[Luan] Território de integração

 A partir de uma breve pesquisa com a comunidade da UFMG foram identificadas algumas necessidades recorrentes demonstradas pelos entrevistados. Dentre as mais latentes, a carência de um espaço de integração, convivência e articulação para as pessoas que frequentam o campus. Desse apontamento, parte a proposta da criação de um espaço amplo e integrado que ofereça pontos de apoio e lazer à comunidade presente na universidade. Orientado pelo parâmetro de parques e praças, a proposta é a concepção de um espaço que integre pontos funcionais (como oficina de bicicleta, sanitários e bebedouros) a zonas de ocupação, ou seja, espaços apetecíveis ao encontro, ao diálogo e até mesmo ao repouso e relaxamento.

Inicialmente é planejada a implementação do projeto na área apontada no mapa, entretanto sua alteração e ampliação se mostra como medida necessária e possível para a elaboração de um espaço que atenda às proposições. campus prj.png

Ate o momento, é tomado como principal referência à Universidade Nacional de Artes de Cuba (1) e o Parque Guëll (2), em Barcelona.

(1)
ENA.jpg

(2)
PG.jpg

[Letícia Dumont] CAE- Centro de Auxílio ao Estudante

A partir de entrevistas feitas com estudantes e funcionários do campus,
questionando-os sobre suas necessidades e opiniões sobre o local, surgiram
algumas sugestões como a criação de espaços de exposição de arte, festas,
laboratórios para cursos, e críticas sobre a falta de mapas e informações, de
espaços para estudo fora das salas e a infraestrutura de alguns banheiros.
Entretanto, a principal demanda relatada foi a falta de um espaço de
convivência e socialização entre os estudantes dos diversos cursos da
faculdade, e não separados em seus respectivos prédios.

Nesse sentido, analisando os dados coletados, optei em criar um Centro de
auxílio aos estudantes, sendo esse um edifício que abrigaria algumas
necessidades requisitadas pelos alunos, como por exemplo uma sala de
estudos e outra de descanso, vestiários, enfermaria e, principalmente, um espaço
de convivência que permitiria a socialização dos estudantes de todos os
cursos, sendo esse beneficiado também pelo fato de o terreno estar localizado
perto de um dos restaurante universitários, o que atrai alunos e funcionários de todas as áreas e prédios para o local.

Dessa forma, os indivíduos que frequentam o campus poderiam usufruir de algumas necessidades que ainda faltam no local, sem receio ou timidez de entrar em edifícios de outros cursos, mas sim criando novos laços de amizades e socialização entre todos os estudantes e funcionários.

Localização no terreno:

2.png

[Iael] Espaço de Convivência Acadêmico

Algo que se repetiu, tanto nas entrevistas quanto na conversa com o Maurício, foi a necessidade de um espaço para interação entre os alunos de diversos cursos. Essa necessidade também pode ser relacionada à demanda que surgiu de existir um espaço para os alunos permanecerem entre uma aula e outra.

Levando em consideração a localização do terreno, atender essas demandas seria uma das melhores opções, visto sua proximidade ao Restaurante Setorial I, o que proveria aos alunos um local de descanso aonde se dirigir logo após o almoço.

Assim, parece pertinente incluir ao local também um vestiário, uma cozinha simples e um espaço que poderia ser utilizado tanto para apresentações teatrais, quanto para festas, demandas também apresentadas nas entrevistas.terreno inteiro

[Letícia Nunes] Centro Livre de Artes

Após a análise das demandas por meio de entrevistas, constatei uma carência de espaços para as áreas artísticas dentro da faculdade. Decidi então projetar um centro cultural, por acreditar que o acesso e a produção da arte devem ser os mais horizontais possíveis. O local deve contar com uma Galeria de Exposição para que os artistas possam exibir suas obras sem grandes burocracias (respeitando a ideia de bom uso do espaço), salas de aulas práticas que permitam a experimentação artística e a criação, além de salas para reuniões e espaços que permitam a troca de conhecimentos dentro das diferentes áreas. O ideal seria a criação de um centro de apoio para os estudantes, gerido por eles e para eles, um local onde se possa trabalhar, desenvolver projetos, fazer reuniões, descansar, cozinhar, criar eventos/vivências/workshops, etc. De tal modo, uma horta coletiva, cozinha comum e banheiros também estão inclusos no projeto inicial.

print

[Elisa] Centro de Movimento Artístico

Após pesquisas de demandas, entrevistas com os usuários do Campus Pampulha e uma conversa com o Prof. Maurício, levantou-se a necessidade de um espaço cultural onde os atuantes nos vários cursos da Universidade Federal de Minas Gerais possam trocar conhecimentos, informações, experiências e ideias. Acredito que o diálogo entre os variados campos venha a criar maravilhosos e importantes resultados para a Universidade como um todo e, visto isso, elaborei o que chamei de CeMA.

O Centro de Movimento Artístico da UFMG (CeMA – UFMG) é um espaço voltado para a expressão cultural e artística da comunidade dentro da Universidade. Composto de um teatro, um salão de exposições e uma sala de dança, o CeMA é dos usuários para os usuários. Alunos, professores e/ou funcionários podem usufruir dos ambientes que proporcionam, principalmente, o movimento, seja do corpo, da voz, da mente, da criatividade ou do conhecimento.

O teatro foi pensado com o propósito de receber apresentações de todas as naturezas, até onde a natureza do espaço fechado e estruturado (e de quem o ocupar) puder imaginar e comportar. O salão de exposições foi proposto com o intuito de abrigar exposições de trabalhos, projetos e ideias vindos de todos os campos do conhecimento e da imaginação, que buscam atingir e se apresentar para os diversos outros. Em adição, a sala de dança é um espaço que visa a prática de uma das mais lindas formas de expressão do corpo, em todas as suas modalidades e além. Além disso, é um espaço aberto para outros tipos de ensaios e ocupações. Dessa maneira, o CeMA integra as distantes e divididas Faculdades distribuídas ao longo do vasto Campus, fazendo um intercâmbio de ideias e conhecimentos.

A localização escolhida para a implantação deste espaço foi a demarcada na figura abaixo devido a alguns motivos. Dentro do terreno determinado, é o local mais próximo ao complexo de prédios de Humanidades e à Escola de Belas Artes. Além disso, é um ponto cercado por árvores e com uma leve inclinação de nível – o que favorece a implantação de um teatro.

Localização